Planilha de Gastos: 5 dicas para fazer a sua

A utilização de uma planilha de gastos auxilia na organização e controle das contas e no acompanhamento de como o dinheiro é utilizado. Além de ajudar a visualizar melhor cada grupo de contas e quais custos podem ser reduzidos, ela permite fazer um planejamento confiável para os próximos meses.

A seguir, vamos listar algumas dicas para elaborar uma planilha eficiente, de forma simples e rápida. Quer saber como? Confira agora mesmo!

1. Separe por mês

O primeiro passo para conseguir fazer uma planilha de gastos é separar os valores por mês. Assim, é possível visualizar os próximos meses e se planejar melhor, além de manter a organização. Pode-se utilizar a mesma planilha e criar abas diferentes para cada mês, ou então utilizar o mês anterior como modelo e fazer um arquivo para cada fechamento.

2. Liste as receitas

Agora, as primeiras linhas da planilha podem ser utilizadas para listar as fontes de receita. Pode-se colocar o título — que servirá para fazer a separação entre as categorias, deixando o arquivo mais organizado. Nas linhas abaixo, listar as fontes de receita e listar o valor na coluna ao lado. Pode-se utilizar, por exemplo, “Trabalho”, “Venda de artesanatos”, e “Serviço de aula particular”.

Se a receita for variável, pode-se utilizar um valor médio para os próximos meses (para ajudar no planejamento) e alterá-lo quando o dinheiro for recebido. Após listar todas as fontes, coloque uma linha com o “Total” e faça a soma dos valores.

3. Liste as despesas

Agora, mais abaixo, é hora de listar as despesas. Para conseguir fazer uma planilha de gastos ainda mais organizada, é bom classificá-las por grupo. Da seguinte forma:

  • gastos essenciais: incluem pagamento de aluguel, energia elétrica, água, gás, transporte, supermercado, etc.
  • gastos pessoais: academia, estudo, convênio médico, salão de beleza, roupas, etc.
  • lazer: bares, cinema, restaurantes, etc.

Mesmo que essa divisão por categorias pareça demorada, futuramente ela pode servir para ajudar a identificar quais despesas precisam e podem ser cortadas, ou mesmo para saber qual é a dimensão dos gastos e quais deles são supérfluos.

Assim que todas forem listadas, crie uma linha de “Total” e faça a soma de todas as despesas. Pode-se criar totais para cada grupo também, para visualizar melhor a proporção de cada gasto.

4. Coloque metas de economia

Em um terceiro grupo, é recomendável listar as metas de economia para cada mês. Elas podem ser utilizadas como reserva de emergência, como poupança, como forma de realizar algum objetivo (como uma viagem, por exemplo) ou apenas pelo desejo de começar a investir. Essa meta de poupança é importante para ajudar a controlar o orçamento e fazer com que a pessoa se organize melhor.

5. Crie um campo para o resultado mensal

Esse resultado é o cálculo da soma entre as despesas e as metas de economia, subtraída do valor total das receitas. É através dessa célula que será possível saber a situação financeira do mês. Se o resultado for positivo, quer dizer que sobrou dinheiro, se for negativo, quer dizer que haverá problemas para pagar todas as contas.

A planilha de gastos é muito importante para quem deseja manter um controle mais rigoroso sobre o orçamento pessoal. Porém, para que se possa evitar dívidas, conseguir economizar e conseguir sempre fechar “no verde”, é fundamental ter disciplina — tanto para a geração de novos gastos, quanto para manter o acompanhamento.

Para melhorar ainda mais seu controle e a organização na hora de passar para sua planilha, o Moneto tem um painel de controle super prático. Além de receber seus valores pelo aplicativo, você consegue monitorar suas cobranças abertas, pagas e atrasadas.

Então, o que achou desse post? Agora ficou mais simples elaborar uma planilha de gastos? Aproveite os comentários para expressar suas opiniões ou dúvidas sobre o tema.